Universidade Livre do Meio Ambiente – Arq. Domingos Bongestabs



Se você vai a Curitiba deveria (na minha opinião) visitar esse lugar. Esta postagem sobre ele está também no Viagem Pelo Mundo, já que é um passeio e tanto, não só para arquitetos! São tantas as qualidades e aspectos interessantes deste lugar, que o tornaram uma das mais importantes referências da cidade (e olha que a briga é boa, pois há o Museu Niemeyer, Jardim Botânico, Ópera de Arame, etc..) !



Para quem não conhece, o passeio é uma ótima surpresa. Na entrada passa-se por uma ponte com arcos (que não possui nada de excepcional além de demarcar a entrada e ser, acredito eu, uma referência às ‘estações tubo’ do interessante sistema de transporte da cidade). Vamos em frente.


Então o caminho se fecha na mata, você caminha numa elegante passarela elevada e uma sensação de “imersão” toma conta. Depois, esta sensação se torna expectativa. E chega-se ao tão esperado lugar.

 

O espaço todo possui enorme beleza arquitetônica e paisagística, relaciona-se com a história local e da cidade, apresenta exuberante fauna e flora, e além de tudo é uma iniciativa exemplar mundialmente na área de educação ambiental. Quer mais? 

A Universidade Livre do Meio Ambiente – UNILIVRE – consiste numa Organização Não Governamental que desde 2002 se tornou uma OSCIP – Organização Social Civil de Interesse Público voltada para o desenvolvimento sustentável urbano e a melhoria da qualidade de vida urbana. Realiza projetos e atividades (cursos, seminários, conferências, exposições, estudos, pesquisas e consultorias) na área de meio ambiente, e tem como missão: “construir e disseminar conhecimentos teóricos e práticos que alicercem a construção de uma sociedade sustentável”


O projeto arquitetônico é de Domingos Bongestabs. Foi construído pela “Emadel- Estruturas em Madeira” e teve sua inauguração em junho de 1992 (a instituição surgiu pouco antes, em 1991). Difícil não se encantar com o lugar, o que é ainda mais favorecido pelo percurso nas passarelas que compõe o conjunto construído da instituição.


Detalhes construtivos me saltam à visão. Misturam uma complexidade de linhas estruturais e execução de ligações com uma aparente simplicidade de implantação no terreno e sensibilidade com entorno.


Madeira, conectores de aço, tijolos, grandes painéis de vidro e cores nas paredes convivem harmoniosamente e compõe os espaços.


A madeira é o eucalipto, proveniente do rio grande do sul, e autoclavado para resistir 30 anos exposto às intempéries.


A área do Bosque Zaninelli permaneceu por muito tempo desconhecida e abandonada, servindo como esconderijo de marginais e como depósito clandestino de entulho e lixo.


Foi descoberta pelo arquiteto Roberto Gandolfo ao adquirir um imóvel na encosta da pedreira, que logo avisou ao prefeito Jaime Lerner a presença do paraíso escondido.
O lago é consequência da atividade mineradora, que ao chegar ao lençol freático teve que ser interrompida. Hoje ele possui profundidade de 8 metros e é habitado por vários animais. 
As aflorações segundo o site da Unilivre são de rochas granulíticas, as mais antigas da região.


O Percurso que é ao mesmo tempo circulação e contemplação nos leva a um mirante. De lá do alto podemos olhar para trás, e se encantar novamente com o local. Convenceu?


Para chegarmos lá, utilizamos a Linha Turismo, uma ótima opção para conhecer os diversos pontos turísticos de Curitiba. Temos no Viagem Pelo Mundo uma postagem específica sobre esta linha. 

É isso aí. Bom Passeio!

Local: Rua Victor Benato, 210, no bairro do Pilarzinho,Curitiba-PR/Brasil, CEP 82.120-110. 
Horários: das 8:00 às 19:00 
Fone: (41)3254-5548 
E-mail: [email protected]

Escrito por
More from Fabio Lanfer

13 – Reboco, pontos de elétrica, quadro de luz, portas e janelas

Esta é a 13º postagem da série: Acompanhamento de Obra – Residência...
Leia mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *