Softwares para arquitetura


São muito frequentes discussões e dúvidas sobre quais programas utilizar quando se trata de softwares de arquitetura, qual é mais fácil de usar ou o que é melhor em cada um. É enorme a gama de opções para o desenvolvimento de projetos e para a representação gráfica de arquitetura.

Mas afinal, qual é o melhor programa?

A resposta mais sensata que já ouvi foi de um professor (aliás, de computação gráfica..) que dizia: “O melhor programa é aquele que você usa!
Explico: De nada adianta fazer um curso do software mais avançado que existe se você não vai precisar dos resultados que ele oferece, ou se não vai conseguir utilizá-lo/inseri-lo na sua rotina produtiva. Aquele software que você já aprendeu pode lhe proporcionar bons resultados, desde que você busque isto. Existe a possibilidade de utilizar na maior parte do tempo softwares gratuitos e finalizar seu trabalho com software avançado, ou ao contrário.

Pensar em utilizar aquilo você já sabe, e investir no aprimoramento ou incorporação de outras técnicas lhe trará qualidade e rapidez.

Esta regra vale muito antes de se embarcar para uma mudança da já confortável rotina produtiva para uma totalmente desconhecida, questão que se torna ainda mais séria quando se trata de escritórios com rotina e equipe estabelecida. A incorporação de técnicas é sempre interessante, pois quanto mais diversificada a linguagem na apresentação de um trabalho, melhor será a possibilidade de sua compreensão.

Você pode por exemplo ter muita habilidade para desenho à mão. Considere então explorar a integração desta habilidade com o trabalho digital. Embora esta disciplina tenha perdido espaço para a computação gráfica, o desenho manual é muito expressivo e pode ser um diferencial para impressionar clientes. No livro (já um pouco antigo mas que se mantém atual) “Desenho de arquitetura” Jim Leggitt trata deste assunto.

Voltando ao tópico, é necessário pensar qual o propósito e qual é o resultado esperado para cada ferramenta.
A ferramenta CAD tem sido condição praticamente obrigatória para se conseguir um estágio ou emprego, mas as coisas estão mudando, e agora é preciso bem mais do que isso. Novos softwares estão se consolidando apesar do domínio ainda do AutoCAD no mercado brasileiro.

Sobre a tecnologia “BIM” – Building Information Modeling:

Trata-se da maior mudança na forma de trabalho do arquiteto desde a migração da prancheta para o computador. Dependendo das características do escritório e de seus projetos, esta pode ser uma revolução vantajosa.
No início dos softwares CAD desenhávamos linhas, exatamente igual à uma prancheta virtual. Hoje, com o BIM os desenhos se transformam em modelos com informações dinâmicas. Isto significa que, por exemplo, uma parede é reconhecida como tal, e incorpora todos os seus parâmetros; desde as dimensões ao material e seu custo por exemplo. O desenho já nasce em 3D; quando acrescentamos uma janela na tal parede em planta, ela já aparecerá na elevação e no corte. Além disto, a quantidade de material da parede diminui, e o item janela é acrescido na tabela de componentes da construção integrada.

Softwares úteis para arquitetos, designers e projetistas:

A ferramenta CAD básica para qualquer um que trabalha com projetos para a construção civil; arquitetos, engenheiros (não só civil mas das outras engenharias também), construtores, incorporadoras, etc. O mais utilizado é o citado AutoCAD, mas existem outras opções como por exemplo: InteriCAD, FreeCAD, HeeksCAD, DoubleCAD XT. Recentemente foi lançado também para Macintosh (da Apple).
Draft Sight
Uma ferramenta CAD boa e gratuíta? Sim! dei destaque para ela pois é o mais próximo do software da autodesk que testei, e sem pagar nada. Liçensas no brasil tem preços absurdos, então esta é uma alternativa.
3DVIA
Sinceramente não domino esta gama de ferramentas, mas fiquei impressionado quando vi. Trata-se de um conjunto de softwares específicos para design da concepção à execução em 3d. Para mobiliário: 3DVIA Home e 3DVIA Store nos seus respectivos temas, e para maquinário: 3DVIA Studio Pro. São do mesmo desenvolvedor do Draft Sight, a Dassault Systèmes.
Uma das mais antigas e conceituadas ferramentas CAD. Surgiu em 1985 como “MiniCAD” exclusivo para computadores da Apple. Em 1996 foi lançado para Windows e em 1999 adquiriu o nome atual. Hoje também é plataforma BIM. Muito ágil para o desenvolvimento de projetos, conheço alguns usuários bem assíduos.
O Pioneiro dos Softwares CAD capazes de gerar desenhos em 2D e 3D. Precursor do que hoje é conhecido como o tipo de software BIM (Building Information Modeling). Também iniciou compatível apenas com os Macintosh da Apple. Hoje também para Windows é um dos mais completos programas para arquitetura.
Autodesk Architetural Desktop (ADT)
Extinto software muito similar ao AutoCAD mas que era mais específico para arquitetura e engenharia civil. Nele que começaram os recursos de integração de dados entre os desenhos que são hoje usados nos atuais AutoCAD e Autodesk Revit.
Eu diria que este é o sucessor do AutoCAD em terras brasileiras. Está sendo ensinado nas universidades e acredito que em breve o mercado irá se adaptar a ele. É um dos principais softwares BIM, e que já nasceu com a vantagem (ou desvantagem) de ser proprietário empresa dominante no mercado local.
Software muito bom para concepção e modelagem 3D. Trata-se do mais intuitivo programa de 3D do mercado. A versão básica é gratuita, a profissional é paga. Possui integração com o google earth, e dispõe de biblioteca on-line também gratuita. Existem plugins interessantes para ele, para renderização, comandos e outros recursos.
Programa muito conhecido principalmente para finalização de maquetes eletrônicas, com modelagem e renderização de imagens para arquitetura e design. Tive um contato com o software durante a faculdade, porém sem utilizar perdi a prática. Completo, mas rasoavelmente complexo.
Poderosa plataforma de projetos da Bentley. Menos conhecida por aqui que seus concorrentes. Possui ferramentas de modelagem renderização, gera animações e tem extensões para publicação na internet, listas de materiais, modelos de sequência cronológica de construção, etc.
Conhecido também como Rhino3D ou somente Rhino. Surgiu como um plug-in do AutoCAD, depois evoluindo para software independente. Mais intuitivo que o AutoCAD, possui custo menor, boa integração com outros programas e diversidade de comandos e funcionalidades
Software de renderização, aplica texturas, luzes, panos de fundo. Muito ágil para produção de imagens.
Este é um software especial para fotorrealismo. Possui técnicas avançadas para iluminação e mapeamento (reconhecimento de formas em 3d). Foi desenvolvido para ser utilizado como complemento aos softwares de modelagem como: 3D Studio Max, Google Sketch Up, Maya, Rhinoceros 3D, e Cinema 4D.
Outro software de renderização, com a vantagem de ser gratuito e mais simplificado. Se utilizado com parâmetros bem acertados gera resultado bem satisfatório.
Software de modelagem em 3D, animação e efeitos especiais.
Software de modelagem em 3D, aplicação de texturas, iluminação, animação e renderização. Estes dois últimos softwares citados são utilizados principalmente em televisão e cinema, mas também em menor escala para arquitetura. Talvez representem a nova tendência do avanço tecnológico para o mercado de apresentação de projetos, ao lado da “revolução” BIM.
Programa para gerenciamento de projetos (na tradução literal do inglês, mas tem aqui o sentido de empreendimentos). Não é específico de arquitetura, mas uma importante ferramenta de incorporação na construção civil ou em qualquer projeto coorpotarivo/comercial/industrial. Trabalhe e planeje tarefas, recursos, prazos, custos.
O mais conhecido e completo software para edição de imagens. Conheço muitos arquitetos e designers que utilizam para finalização de perspectivas eletrônicas renderizadas (pós produção), e também para confecção de pranchas de apresentação, lay-out de páginas, etc.
Obviamente um programa tão completo torna-se bem complexo, o que o afasta de usuários mais eventuais, ou não profissionais, na edição de imagens.
Este é um software de organização e publicação de imagens com práticos recursos de edição. No meu caso uso para tratar imagens e colocar filtros nas fotos que posto nos blogs que escrevo.
A organização de fotos já é um capítulo a parte. (assim como de arquivos e música também). Quanto mais organizadas suas imagens estiverem (eu particularmente as organizo por data em pastas no explorer), mais fácil será migrar para o Picasa. Agora se você tem muitas fotos no computador (muitas mesmo), é recomendável removê-las para um HD externo e ir adicionando aos poucos, pois o programa faz uma busca de todas as imagens no CPU e é capaz de travar o computador.

 

Softwares x Rotina de trabalho:

Se você está estudando e entrando no mercado de arquitetura e quer desenvolver seu trabalho, acabará aprendendo uma boa parte dos  softwares listados. Procure aprender os softwares utilizados pelos escritórios que admira e estabeleça uma estratégia como:  software CAD / software BIM  e/ou modelador 3d + renderizador / software de edição de imagens + montagem de pranchas.

Indico aqui um curso que fiz que ensina o básico dos softwares com esta abordagem: da rotina completa para arquitetos:
É o CURA: Curso de Representação Arquitetônica  (clique no link ou acesse a página deles no facebook)

Claro, existem muitos outros programas (e diversos cursos), mas procurei abordar o principal.

Se busca informações adicionais ou outros programas não deixe de visitar outros blogs e sites específicos de design gráfico.
Um dos melhores que encontrei é o http://www.allanbrito.com/. Busque também fóruns dos programas que você usa, sempre útil.

Dúvidas? Escreva na caixa de comentários!

Boa pesquisa!


Escrito por
More from Fabio Lanfer

Sustentabilidade Urbana

A Sustentabilidade não é uma condição. Não é estática, você não adquire...
Leia mais

10 comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *